Carreira

11 dicas para começar um negócio próprio em casa com sucesso

Publicado em

Tem aumentado, e muito, a quantidade de mulheres que se lançam como empreendedoras no País. Para se ter uma ideia desse crescimento, nos últimos 14 anos, o número de empresárias subiu 34%, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Em 2014, o País tinha 7,9 milhões de empresárias.

Os motivos que levam a essa decisão envolvem a vontade – e a necessidade – de ganhar um dinheirinho extra, o desejo de passar mais tempo com os filhos, a flexibilidade de horários para cuidar da casa e das crianças, entre outros.

Se você, assim como tantas outras mulheres, tem mãos de fada para preparar salgadinhos ou bolos para festas, faz velas perfumadas como ninguém ou tem ainda alguma outra habilidade fantástica, essa pode ser a sua chance para aumentar sua renda.

Mas a especialista em finanças Patrícia Lages, do Blog Bolsa Blindada faz um alerta: “Apesar de muitas mulheres tratarem o empreendedorismo como um sonho, é importante manter os pés no chão. Não fantasie nem deixe a emoção falar mais alto que a razão. Empreender é um ato estratégico, ainda que você venda coxinhas pelo bairro”.

A seguir, confira as dicas de experts em finanças e empreendedorismo, para começar o seu negócio com o pé direito!

1 – Planeje o negócio

Segundo Carolina Sandler, criadora do site Finanças Femininas, é natural ter dúvidas sobre o volume certo de matéria-prima que deve comprar, qual deverá ser o preço de venda e até mesmo se está ganhando dinheiro com o negócio. “Em primeiro lugar, é essencial montar um pequeno plano de negócios: pesquisar o mercado, ver quanto os concorrentes cobram, listar todos os gastos e fazer uma previsão de ganhos, comparando o preço do produto e um número estimado de vendas por mês. Com esse plano em mãos, você se sentirá mais confiante, pois saberá exatamente o que precisa fazer para criar um negócio lucrativo”, aconselha.

2 – Dedique-se à contabilidade

Lembre-se de listar todos os investimentos que você vai ter com o negócio. Por exemplo, se você vai vender brigadeiros, os investimentos são a panela, os ingredientes, o fogão, assim por diante. Tudo isso precisa ser contabilizado para você entender direito qual é o lucro do negócio. “E não confunda faturamento com lucro. Faturamento é a soma de todas as vendas, mas desse valor você precisa tirar os gastos que teve para produzir e vender os produtos/serviços e os impostos. Só depois de contabilizar tudo isso você terá o seu lucro! E evite tirar todo o lucro mensalmente. Os negócios não quebram por conta de um prejuízo, mas sim por falta de dinheiro. O ideal é que você tenha sempre dinheiro em caixa, para garantir o pagamento de todas as contas, mesmo em meses mais parados”, alerta Carolina.

3 – Dê atenção à organização financeira

É fundamental ter uma conta bancária separada para o negócio, e você pode abrir uma conta jurídica digital, sem gastos. “Assim você vai identificar os ganhos e despesas relacionados ao seu negócio e separá-los das suas finanças pessoais. É importante, também, ter um controle financeiro do negócio, ou seja, acompanhar todos os gastos e recebimentos, para visualizar como está a saúde da empresa. Aplicativos como o ZeroPaper ajudam nesta organização, sem custo nenhum”, sugere Carolina.

4 – Formalize o seu negócio

Você pode estar se perguntando: É preciso ter empresa aberta? Posso vender sem nota fiscal? É compreensível que empreendedores iniciantes vendam produtos antes de terem uma empresa aberta formalmente. “Mas depois é importante formalizá-la”, aponta Carolina. Para apoiar sua formalização e regularização, o governo criou a categoria Micro Empreendedor Individual. É possível regularizar online um negócio com faturamento de até R$60 mil por ano, por valores bem acessíveis. E após a regularização, você poderá emitir notas fiscais.

5 – Informe-se sobre o Registro da marca

Lembre-se que mais cedo ou mais tarde você precisará fazer o registro, caso seu negócio deslanche. “Acesse o site do INPI e faça uma busca para saber se a marca que você está usando já está registrada em nome de outra empresa, no mesmo setor que você atua”, ensina Thiago de Carvalho, professor de empreendedorismo do Insper.

6 – Entenda: empreender é mais que um hobby

Não abra um negócio por que você ficou empolgada com uma ideia. Abra um negócio apenas após fazer contas do quanto precisa vender, quais são suas despesas etc. “Negócios que dão certo são aqueles que dão satisfação pessoal e financeira aos fundadores, geram valor para clientes e fornecedores”, explica Carvalho.

7 – Aprenda, sempre

Empreendedoras de sucesso são aquelas que gostam de estudar. Estude o mercado, os concorrentes, informe-se sobre como atender melhor. “Tenha sempre em mente: como posso melhorar o que estou fazendo? Quem pode me ajudar a aprender o que preciso? A partir da busca de respostas de questões como essa, o processo de desenvolvimento de empresas acontece”, diz Carvalho.

8 – Divulgue

Para os negócios que começam dentro de casa, a melhor, mais eficaz e mais barata forma de divulgação é o famoso boca-a-boca. “Os primeiros contatos e clientes são os próprios amigos. Se eles gostam do produto a ponto de comprar e voltar a comprar, eles são os melhores para indicar o seu produto para os amigos deles e assim por diante. É mais devagar, mas é menos arriscado, pois envolve menos investimento em publicidade. Aprenda também a usar as redes sociais, o melhor boca-a-boca digital que existe”, ensina Marcos Hashimoto, consultor e palestrante de empreendedorismo.

9 – Profissionalize

Cuidado: não misture sua vida pessoal com a profissional. “Mesmo vendendo para amigos e parentes, é preciso manter o nível das negociações no plano profissional para não passar uma imagem amadora, de quem não deve ser levada a sério”, diz Patrícia Lages.

10 – Invista na rede de contatos

Construa relacionamentos, conheça pessoas. “Não é hora de ser tímida, tem que por a cara pra bater. A empresa pequena é frágil e só se fortalece quando se juntam outras. Não me refiro apenas a conseguir mais clientes, mas fazer parcerias, gente pra ajudar, para abrir portas, indicar clientes, indicar funcionários, fornecedores, compartilhar experiências. A jornada fica bem mais leve quando dividimos a carga”, aconselha Hashimoto. Por exemplo: você faz salgadinhos sob encomenda? Faça parcerias com quem fez docinhos ou decoração para festas. Assim uma indica a outra e todas saem ganhando!

11- Marque presença digital

Ter um site é um passo importante para a imagem e a divulgação do seu negócio. E não é necessário gastar muito para fazer sites simples, com as informações básicas, como seu cartão de visitas e apresentação da sua empresa. “Se quiser, você mesma pode criar. Plataformas como a www.wix.com.br ou www.locaweb.com.br ajudam nesse processo”, explica Thiago.